Assédio Sexual no Local de Trabalho

Introdução

O assédio sexual no local de trabalho é um problema antigo que muitas vezes é minimizado ou negligenciado. Com o aumento de fortes movimentos de combate a violência e assédio baseados em gênero, como #MeToo e #NiUnaMenos, entre outros, uma maior conscientização tem sido criada sobre a magnitude desse problema, nacional e internacionalmente, e maiores esforços estão sendo realizados para eliminá-lo. 

O assédio sexual no local de trabalho é amplamente entendido como uma consequência da desigualdade de gênero. Embora as mulheres não sejam os únicos alvos de assédio sexual no local de trabalho, elas são afetadas de forma desproporcional pelo problema. A vulnerabilidade à experiência de assédio sexual também aumenta com base na intersecção de características individuais e de determinados ambientes de trabalho. Isso inclui mulheres que trabalham na política.

A eliminação do assédio sexual no local de trabalho requer mudanças jurídicas e culturais e faz parte de um esforço mais amplo para eliminar a violência contra as mulheres. Este kit de ferramentas visa apoiar os parlamentares no avanço de ambos, com o objetivo básico de contribuir para uma maior igualdade de gênero no mundo do trabalho e na sociedade de forma geral. 

Embora o assédio sexual possa ocorrer em qualquer ambiente, esse kit de ferramentas concentra-se especificamente no assédio sexual no local de trabalho. 

Nos módulos abaixo, você aprenderá sobre:

  1. Os componentes de uma definição de assédio sexual no local de trabalho e outras considerações críticas para o desenvolvimento de estruturas legislativas e proteções eficazes
  2. O papel da mudança cultural na eliminação do assédio sexual e outras manifestações de desigualdade de gênero, e estratégias para fazer avançar esse progresso
  3. Como o assédio sexual no local de trabalho afeta os parlamentos e as mulheres na política, e a necessidade de uma resposta focada no problema 
  4. Estruturas e ferramentas internacionais para apoiar a ação nacional sobre o assédio sexual no local de trabalho

Introdução

O assédio sexual no local de trabalho é um problema antigo que muitas vezes é minimizado ou negligenciado. Com o aumento de fortes movimentos de combate a violência e assédio baseados em gênero, como #MeToo e #NiUnaMenos, entre outros, uma maior conscientização tem sido criada sobre a magnitude desse problema, nacional e internacionalmente, e maiores esforços estão sendo realizados para eliminá-lo. 

O assédio sexual no local de trabalho é amplamente entendido como uma consequência da desigualdade de gênero. Embora as mulheres não sejam os únicos alvos de assédio sexual no local de trabalho, elas são afetadas de forma desproporcional pelo problema. A vulnerabilidade à experiência de assédio sexual também aumenta com base na intersecção de características individuais e de determinados ambientes de trabalho. Isso inclui mulheres que trabalham na política.

A eliminação do assédio sexual no local de trabalho requer mudanças jurídicas e culturais e faz parte de um esforço mais amplo para eliminar a violência contra as mulheres. Este kit de ferramentas visa apoiar os parlamentares no avanço de ambos, com o objetivo básico de contribuir para uma maior igualdade de gênero no mundo do trabalho e na sociedade de forma geral. 

Embora o assédio sexual possa ocorrer em qualquer ambiente, esse kit de ferramentas concentra-se especificamente no assédio sexual no local de trabalho. 

Nos módulos abaixo, você aprenderá sobre:

  1. Os componentes de uma definição de assédio sexual no local de trabalho e outras considerações críticas para o desenvolvimento de estruturas legislativas e proteções eficazes
  2. O papel da mudança cultural na eliminação do assédio sexual e outras manifestações de desigualdade de gênero, e estratégias para fazer avançar esse progresso
  3. Como o assédio sexual no local de trabalho afeta os parlamentos e as mulheres na política, e a necessidade de uma resposta focada no problema 
  4. Estruturas e ferramentas internacionais para apoiar a ação nacional sobre o assédio sexual no local de trabalho

Você sabia?

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) adotou a Convenção sobre a eliminação da violência e do assédio no
mundo do trabalho
e recomendações relacionadas em junho de 2019, sendo a primeira vez que esses problemas são tratados por meio de normas internacionais de trabalho. Leia este artigo para obter um resumo das principais informações do acordo.

Leia a Convenção

Estabelecer uma definição apropriada para assédio sexual no local de trabalho é o primeiro passo para aumentar a conscientização sobre o comportamento inaceitável, e ser capaz de responder ao problema de forma eficaz. Esclarecer o que é assédio sexual nomeando formalmente os comportamentos relacionados como tal conduta pode ajudar a chamar a atenção para sua natureza problemática e fornecer suporte para o alvo do assédio sexual, quebrando a percepção de que esta é uma parte “normal” do trabalho. 

Esse trabalho de definição é, obviamente, importante na legislação, pois servirá de base para apresentar, investigar e responder às reclamações. Uma definição restrita ou pouco clara pode significar que o recurso é limitado ou não existe para alguma forma de assédio sexual. Também pode criar incerteza para os funcionários em compreender qual comportamento é inaceitável, e suas prováveis repercussões, deixando alguns indivíduos sem as proteções necessárias. 

O assédio sexual no trabalho é comumente definido na categoria geral de "violência e assédio no mundo do trabalho" e "violência e assédio de gênero." Embora o conceito de assédio sexual seja difícil de encapsular em uma única definição, algumas semelhanças surgem entre as definições usadas por atores internacionais e nacionais

O assédio sexual pode ser qualquer tipo de ação - incluindo piadas, gestos, declarações, toques, comunicações online, entre outros - que:

  1. não é bem-vindo pelo destinatário; 
  2. causa dano, ofensa ou perda de dignidade; e
  3. é de natureza sexual, baseada no sexo ou gênero

Existem duas inclusões comuns nas definições de assédio sexual que podem realmente servir para limitar as proteções e devem ser cuidadosamente consideradas: que um ato deve ser repetido para ser considerado assédio sexual, e que a vítima deve declarar verbalmente a falta de consentimento para a ação.  
Em entendimentos jurídicos sobre assédio sexual no local de trabalho, normalmente existem duas categorias específicas: ambiente de trabalho hostil e quid pro quoO assédio sexual também pode ocorrer não apenas no local de trabalho de uma pessoa, mas de forma mais ampla em seu “mundo de trabalho ,” conforme explicado pela OIT. 

O assédio sexual no local de trabalho pode ser perpetrado por, ou direcionado a, indivíduos de qualquer gênero e pode ocorrer em estruturas de poder verticais e horizontais. No entanto, a maioria das vítimas de assédio sexual são mulheres, o que é resultado das persistentes desigualdades de gênero no mundo do trabalho que se devem a relações de gênero desiguais na sociedade em geral. 

Devido às disparidades de poder elevadas, certos grupos de mulheres são particularmente vulneráveis a sofrer assédio sexual no local de trabalho, tais como: trabalhadoras migrantes; mulheres que trabalham em empregos atípicos ou informais; mulheres trabalhando isoladas ou em locais remotos (em uma casa ou no campo); e mulheres que trabalham com o público (especialmente em ambientes de saúde e educação) ou no atendimento ao cliente (fonte). Aplicar a lente da interseccionalidade  é, portanto, importante nesse caso. Embora seja geralmente considerado uma boa prática que as definições de assédio sexual sejam neutras em termos de gênero para garantir que todos se beneficiem das proteções, eles também devem reconhecer o papel do gênero e do poder nas incidências de assédio sexual, e que certos grupos podem exigir atenção e proteção adicionais. 

O assédio sexual é uma violação aos direitos humanos, e a sua ocorrência no local de trabalho é uma forma de discriminação e também uma afronta ao direito ao trabalho digno. O fato de as mulheres serem as principais vítimas de assédio sexual é uma consequência e contribui para a desigualdade econômica e de trabalho que vivenciam. O problema afeta a saúde e a segurança, a independência econômica e a qualidade de vida das pessoas afetadas e produz efeitos negativos em cascata nos locais de trabalho, na economia e na sociedade em geral. 

A questão foi incluída há muito tempo em acordos internacionais sobre igualdade de gênero e antidiscriminação que foram adotados por governos nacionais em toda a América Latina. As estruturas jurídicas nacionais em toda a região também apresentam proteções contra o assédio sexual no local de trabalho em vários graus. Apesar desses avanços, movimentos sociais como #MeToo e #NiUnaMenos, e protestos recentes pedindo o fim do assédio nas ruas, ilustraram a prevalência e os danos contínuos dessa prática, e crimes relacionados. 

A notória falta de estatísticas torna a identificação da dimensão do problema difícil e altamente especulativa. O primeiro passo para erradicar o problema do assédio sexual e do assédio no mundo do trabalho é coletar informações detalhadas e atuais sobre a dimensão do problema, a fim de torná-lo visível. Essas pesquisas podem ajudar a demonstrar o verdadeiro escopo do problema e as lacunas entre a prática e as denúncias feitas. 

As informações disponíveis na região apresentam evidências iniciais da prevalência do problema e do impacto diferenciado nas mulheres:

  • A Pesquisa Nacional de Segurança Pública do México revelou que no segundo semestre de 2019, 27,2% das mulheres entrevistadas em todo o país enfrentaram alguma situação de assédio sexual e/ou violência (fonte). 
  • O Departamento de Ética e Prevenção de Conflitos de Interesse (CEPCIs) do Governo Federal do México indicou que 91% dos casos registrados de assédio sexual foram movidos por mulheres. Em 30% dos casos, a vítima referiu “contato físico sugestivo ou de natureza sexual” (fonte).
  • Uma pesquisa realizada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no Peru, em 2018, revelou que das 75.899 mulheres entrevistadas, 47,5% haviam enfrentado algum tipo de violência (emocional, física ou sexual) (fonte).
  • O Estudo Nacional sobre Violência contra a Mulher, liderado pelo Ministério da Justiça e Direitos Humanos da Argentina em 2019, revelou que 49,3% das mulheres argentinas entrevistadas sofreram violência física ou sexual ao longo da vida. (fonte). 
  • Um estudo realizado pela Direção do Trabalho do Chile mostrou que a grande maioria das denúncias de assédio sexual no trabalho foram feitas por mulheres (96,8%), sendo que 80% dos casos se referiam a contextos de assimetria de poder entre a pessoa denunciada e o queixoso. Os resultados mostram que na maioria dos casos foi dado crédito ao assediador, o que implicou, em 45% dos casos, na perda do emprego da reclamante (fonte). 

A prevalência do problema, as ativas mobilizações sociais de combate, e aniversários marcantes de estruturas internacionais relacionadas aos direitos das mulheres e igualdade de gênero, criam um mandato renovado de ações para lidar com o assédio sexual no local de trabalho. Os esforços dos parlamentares são particularmente essenciais nesta resposta, dados seus papéis como representantes da cidadania, tomadores de decisão, figuras públicas e atores-chave na supervisão do Executivo. 

Desenvolver, revisar e implementar legislação eficaz sobre a prevenção e abordagem do assédio sexual no local de trabalho é uma contribuição única e crucial que os parlamentares podem dar no avanço das respostas à questão. Ter essa legislação em vigor pode servir a vários propósitos importantes: 

  • Nomeia e conscientiza sobre o problema  
  • Cria responsabilidades claras para os empregadores na prevenção de assédio sexual no local de trabalho
  • Fornece caminhos para as vítimas apresentarem queixas e buscarem reparação 
  • Estabelece os papéis de vários atores na resposta ao assédio sexual no local de trabalho 

As formas específicas em que o assédio sexual é tratado na legislação variam em todo o mundo. Mais comumente, o assédio sexual no local de trabalho é coberto por um estatuto separado especificamente sobre o problema ou como parte das leis que regem uma ou mais das seguintes áreas: trabalho, saúde e segurança ocupacional, antidiscriminação ou antiviolência. Muitos países oferecem proteção em várias áreas, incluindo direito penal, para evitar lacunas e fornecer às vítimas opções de mecanismos de respostas. 

A maioria dos países latino-americanos possui legislação contra o assédio e o assédio sexual no trabalho, seja em seu código trabalhista ou penal, ou por meio de um instrumento específico. No entanto, ainda existe uma lacuna no estabelecimento de protocolos que garantam o correto tratamento dos casos de assédio sexual no trabalho. Esse tipo de protocolo deve definir as etapas do procedimento, definições claras, princípios de prevenção e áreas de aplicação, entre outros fatores (fonte)

Ao advogar por uma legislação nova ou aprimorada para prevenir e responder ao assédio sexual no local de trabalho, os parlamentares também podem recorrer a outras políticas nacionais para apoio, incluindo políticas e estratégias nacionais de gênero ou planos de ação para lidar com a violência de gênero. Ministérios de mulheres ou secretarias de gênero, organismos antidiscriminação e organizações ou movimentos da sociedade civil que trabalham em questões relacionadas também são parceiros estratégicos a envolver na preparação e socialização de iniciativas legislativas.

 Além dos acordos internacionais mencionados na seção anterior, um apoio adicional pode vir de ferramentas disponíveis regional e internacionalmente: a Organização Ibero-americana de Previdência Social (OISS, sigla em espanhol) elaborou uma proposta de protocolo contra o assédio sexual no trabalho, e a OIT adotou recentemente uma convenção e recomendações sobre o assunto.

 Uma vez que uma estrutura legislativa esteja estabelecida, é fundamental realizar monitoramento e avaliação contínuos para garantir sua implementação efetiva. Os esforços de implementação devem incluir a ampla socialização da legislação para garantir que o público esteja ciente dos mecanismos de apoio disponíveis, inclusive diretamente nos locais de trabalho. Também será necessário treinamento para empregadores e prestadores de serviços sobre as disposições da legislação para que possam cumprir melhor suas obrigações de prevenção e resposta.    
 

A desigualdade de gênero e os estereótipos prejudiciais sobre gênero e sexualidade são as causas subjacentes do assédio sexual. Os locais de trabalho e as posições de liderança continuam a ser vistos como domínio dos homens por alguns, e a quebra progressiva das barreiras à participação das mulheres na força de trabalho tem consequências indesejadas, incluindo assédio sexual, conforme a dinâmica do poder é reorganizada. O problema, portanto, não pode ser erradicado sem esforços complementares e focados para eliminar essas questões mais profundas. A educação mais ampla e a socialização dos conceitos de igualdade de gênero são necessárias para promover a mudança cultural nos locais de trabalho e em toda a sociedade; estes devem centrar-se no respeito, diversidade e consentimento entusiástico como valores centrais. 

A legislação sobre assédio sexual no local de trabalho pode desempenhar um papel no incentivo às iniciativas necessárias para promover a transformação cultural. Sua própria existência pode servir como uma barreira ao assédio sexual, reafirmando e aumentando a conscientização sobre os danos de comportamentos relacionados. A legislação também pode levar à adoção de mecanismos específicos de prevenção por vários atores e em diferentes ambientes. Isso pode incluir a criação de um mandato para entidades responsáveis para introduzir campanhas públicas sobre assédio sexual no local de trabalho, a inclusão de conteúdo de igualdade de gênero nos currículos escolares, fornecer apoio para ONGs que defendem a igualdade de gênero e antiviolência nas comunidades, e a criação de recursos práticos para apoiar os locais de trabalho no cultivo de ambientes mais inclusivos. Além disso, os locais de trabalho podem receber a tarefa de exigir treinamento centrado na prevenção para os funcionários e implementar suas próprias campanhas para identificar e visibilizar os danos do assédio sexual.

Todos devem estar ativamente envolvidos no esforço de mudança cultural. Isso significa não apenas tratar todos os indivíduos com igual respeito, mas também responsabilizar uns aos outros e intervir o máximo possível em casos de assédio sexual ou outras formas de discriminação. Como parlamentar e figuras influentes, você pode incentivar ainda mais essa transformação modelando esse comportamento em suas próprias interações e locais de trabalho, bem como defendendo sua importância em declarações públicas. 
 

Embora os parlamentos nacionais sejam locais críticos para encorajar a transformação nos ambientes de trabalho em todo o país, também é importante lembrar que os parlamentos são locais de trabalho e devem ser incluídos como parte desses esforços contra o assédio sexual. Uma série de fatores específicos aos parlamentos podem criar riscos ainda maiores de sofrer assédio sexual para parlamentares e funcionários, incluindo a dinâmica de poder intensificada, tomada de decisão politizada, sub-representação de mulheres e grupos marginalizados, horários de trabalho irregulares, e o fato de que o desempenho no trabalho impacta diretamente a segurança do emprego futuro, influenciando possibilidades de reeleição. 


Pesquisas indicam que as mulheres na política estão entre os grupos mais vulneráveis ao assédio sexual (fonte), enquadrado no âmbito mais amplo do assédio político e da violência de gênero e se tornando uma realidade para muitas mulheres assim que demonstram interesse na vida público. Quando fazem campanha, por exemplo, as mulheres correm o risco de sofrer assédio sexual ao buscarem obter o apoio de constituintes e doadores em potencial, e devem navegar por gênero e outras formas de dinâmica de poder nessas situações. Mulheres ativas na vida pública são frequentemente sujeitas a ataques - incluindo online - e outras ações que são perpetradas em uma tentativa intencional de silenciá-las ou miná-las em seus papéis. Isso reflete concepções errôneas sustentadas no meio político, como um domínio masculino devido à exclusão histórica das mulheres de espaços relacionados, e também contribui substancialmente para a sub-representação contínua das mulheres. O conhecimento desses perigosos efeitos colaterais potenciais da participação política leva muitas mulheres a se absterem de apresentar seus nomes para eleição.


Uma vez que as mulheres chegam à legislatura, essa discriminação e assédio continuam a prevalecer. Um estudo global conduzido pela UIP com mulheres parlamentares de todo o mundo descobriu que as entrevistadas consideravam o assédio sexual uma prática comum no parlamento, e que 20% delas haviam sido assediadas sexualmente durante seu mandato. A percepção da normalidade de atos de assédio sexual e de gênero contra mulheres parlamentares, especialmente aquelas sutis ou arraigadas na tradição, bem como contra outras pessoas empregadas no parlamento, pode contribuir ainda mais para dissuadir a participação política das mulheres. A maioria das entrevistadas na pesquisa UIP indicou que acreditava que essa dissuasão era o objetivo do assédio perpetrado contra elas. Abordar o assédio sexual no parlamento como local de trabalho torna-se, então, parte da criação de condições de apoio para democracias mais inclusivas e, portanto, mais fortes. 


Existem ações específicas que vocês, como parlamentares, podem defender em suas legislaturas para fortalecer os mecanismos de prevenção e resposta ao assédio sexual, além de adaptar aquelas mencionadas em outras partes deste kit de ferramentas para seu ambiente de trabalho específico. Os parlamentos da região estão cada vez mais adotando protocolos internos ou códigos de conduta contra o assédio sexual e reformando a legislação que trata da discriminação no emprego no setor público para incluir proteções para funcionários parlamentares. Alguns países até adotaram legislação específica sobre a prevenção do assédio político e da violência com base no gênero, que faz referência ao assédio sexual. Defender o fim da violência de gênero, em todas as suas formas, é um passo essencial para alcançar o respeito e a inclusão nos espaços de trabalho e democráticos.
 

Em números

O número de países latino-americanos com estruturas legais que abordam especificamente o assédio sexual no local de trabalho

Percentual de mulheres em uma pesquisa no Peru que reconheceram ter enfrentado algum tipo de violência (física, emocional, sexual)

A porcentagem de mulheres parlamentares pesquisadas pela UIP que relataram ter sofrido assédio sexual durante sua legislatura

  1. Mulheres, Empresas e a Lei 2020, Banco Mundial  

    Fonte
  2. Percentual de mulheres em uma pesquisa Prevalência de violência contra mulheres entre diferentes grupos étnicos no Peru, Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2018

    Fonte
  3. União Interparlamentar, Boletim Temático, “Sexismo, assédio e violência contra mulheres parlamentares” 2016.

    Fonte

Boas Práticas

As boas práticas a seguir foram compartilhadas por parlamentares e outras partes interessadas. Eles descrevem técnicas para envolver os homens em iniciativas de igualdade de gênero.

Assédio Sexual no Local de Trabalho
Deputada Camila Vallejo
Chile
Acho importante incluir o assédio e a perseguição que acontece nas redes sociais, e também definir com maior precisão o tempo necessário para resolver uma reclamação e os mecanismos para proteger a integridade do caso.
Assédio Sexual no Local de Trabalho
Norma Morandini
Argentina
A visibilidade pública alcançada pelos protestos femininos contra a violência deve ser acompanhada por uma ênfase na educação com perspectiva de gênero
Assédio Sexual no Local de Trabalho
Deputada Maya Fernandez Allende
Chile
O Protocolo para a Prevenção e Punição do Assédio Sexual na Câmara dos Deputados

Verifique você mesmo

Revisite as principais informações neste kit de ferramentas com um breve questionário. Essas perguntas são destinadas à revisão de conhecimento pessoal e as respostas são anônimas.

Consult Other Toolkits

As bancadas podem ser veículos importantes para o avanço da igualdade de gênero no parlamento.